Entrevista com Carina Casuscelli
Entrevista com Carina Casuscelli
melina.flores

melina.flores

Entrevista com Carina Casuscelli

Carina Casuscelli: artista e praticante do Método DeRose

Carina-Casuscelli-A-Moda-esta-em-baixa

Carina Casuscelli, artista multimídia, é graduada em Moda e Artes Cênicas, co-fundadora  da Companhia Nova de Teatro – que este ano completa 12 anos, coordenadora do Projeto Multimídia Sinais  que integra pessoas com ou sem deficiência nas artes. Foi contemplada por diversos prêmios nacionais e  internacionais na área de moda e teatro.

Como o teatro entrou na sua vida? Conte-nos um pouco sobre sua carreira artística.

Sempre gostei muito de ler, criar situações cênicas, então no colégio, na apresentação de trabalhos, sempre aproveitava para dirigir, escrever e encenar. Com 13 anos comecei a estudar a sério artes cênicas em uma escola profissionalizante e descobri os bastidores da montagem, figurino, maquiagem, organização e então não larguei mais.

No meu trabalho pessoal sempre gostei de investir em temáticas que me inquietam, como a desigualdade social e os conflitos existentes na sociedade, mas que para o mercado não tem muita relevância. Por isso invisto nos meus projetos do coração como A Moda esta em baixa: pela democracia dos corpos!, um projeto de moda e performance para mulheres reais, mulheres com nanismo, gordinhas, alta, cadeirantes. Teve grande sucesso de público e mídia, já recebemos prêmios, mas ainda não conseguimos patrocínio, nem de empresas que se dizem a favor da diversidade.

Como surgiu o seu interesse pelo Método DeRose?

Uma colega bailarina praticava e me aconselhou devido ao trabalho plástico que envolve a arte do corpo, e voz que a Companhia Nova de Teatro desenvolve.

Na época estávamos com a peça Dr Faustus liga a luz de Gertrude Stein e o trabalho cênico corporal era intenso! A pratica do Método DeRose foi muito importante para a preparação e a concentração que o espetáculo exigia. Era importante aliar respiração, voz, força, agilidade, permanência e concentração.

Ao longo da carreira no teatro quais obstáculos foram e/ou são mais significativos? De que forma o Método DeRose tem contribuído na superação destes obstáculos?

Fazer arte é uma luta constante, escrever o projeto em editais, planejar, produzir, bancar um sonho, falta de verba, espaço e lidar com os imprevistos fazem parte da vida dos “fazedores do teatro” .

Desde que comecei a praticar o Método DeRose, vi minha evolução corporal, minha concentração e foco melhorar, principalmente o exercício da superação: não conseguir realizar uma técnica orgânica hoje não significa que você não conseguirá fazer amanhã. Este processo exige concentração, foco no que se está realizando e estar disposto a se dedicar e focar no ponto em que deseja alcançar. Levo esta lição para a minha vida pessoal e profissional.

Observar os instrutores do Método realizando as coreografias com tanta leveza, beleza, sorriso no rosto e concentração nos inspira a chegar lá!

Qual o seu maior sonho? Como você vê que o Método DeRose contribui nesse sentido?

Dar visibilidade aos projetos de forma artística e não só assistencialista.

Sensibilizar os empresários da importância de apoio  para os projetos de Moda e Teatro nas comunidades da Zona Norte aqui no Rio, promover intercâmbios artísticos, produzir muitos espetáculos, desfiles e vídeos. Realizar coreografia com a perfeição dos Instrutores do Metodo DeRose é meu maior sonho, pois o nosso próximo trabalho será em teatro físico.

Quais a principais técnicas do Método que você vê hoje sendo aplicadas na sua vida artística e na sua vida de maneira geral? E quais os principais conceitos?

A prática básica todos os dias antes dos ensaios é muito importante: técnicas de descontração, os respiratórios, a permanência nas técnicas corporais são muito importantes para o trabalho do artista no nível pessoal, pois ficamos horas em uma sala de ensaio, enfrentando problemas externos e com a produção no momento da concretização artística, o que sem foco poderia influenciar negativamente.

Que experiência ou reflexão você deixa para os outros artistas?  

Em um País no qual a arte sobrevive pelo amor dos artistas, o importante é acreditar na potencialidade do trabalho, agregar parceiros para a realização de um sonho em conjunto, saber esperar, agir com sabedoria e nunca desistir!

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Agende uma visita

Próximos Eventos

Não existem eventos futuros deste vez.

Inscreva-se na nossa newsletter